5 Motivos que me levaram a cancelar a TAG livros.

Assinei a tag curadoria pela primeira fez em julho deste ano (2020). Queria entender como funcionava e como eram os livros. Recebi cinco caixinhas no total e aos poucos percebi que o modo como eles trabalham não funcionaria para mim. Nesses cinco meses me deparei com pequenas coisas que aos poucos se tornaram grandes. Além disso o valor da assinatura é alto e a experiência não é tão agradável quanto eu esperava.

5 motivos que me levaram a cancelar a TAG

1. Assinei o plano curadoria e veio um livro inédito.

Assinei o plano Curadoria esperando uma edição lindíssima de um livro que já existisse aqui no Brasil, mas o primeiro que recebi foi Sul da fronteira, oeste do sol um livro inédito. Apesar da edição ser muito bonita fiquei chateada com esta pequena mentira logo de cara, mas enfim, as expectativas eram minhas, então, continuei assinando.

2. Livros sem edição recente no Brasil

Como havia dito recebi cinco livros deles e apenas um tinha edição recente aqui: Tudo de bom vai acontecer da nigeriana Sefi Atta. Ou seja, apesar de não ser inédito, a única forma de ler algum desses livros é se associando a TAG. Na época eu estava fazendo resenhas dos recebidos (Sul da fronteira, oeste do sol, Afirma Pereira, Todos os nossos ontens) e senti que não fazia sentido falar sobre livros que apenas assinantes da TAG leriam. Senti que a curadoria pudesse ser um pouco enviesada fazendo com que as pessoas ficassem presas a eles. Ao meu ver também parece ser um laboratório para as editoras verem o que funciona para o mercado brasileiro.

3. Contato excessivo com ex associados.

Quando fui cancelar minha assinatura recebi uma enxurrada de e-mails e mensagens no WhatsApp perguntando se eu tinha certeza do cancelamento, tipo ex namorado que não aceitou o término. Não gosto de receber mensagens e e-mails deste tipo, primeiro porque se eu cancelei, o fiz porque quis, eles só pararam quando respondi que aquelas mensagens estavam me incomodando, depois de umas 10 recebidas.

4. Enviaram um livro que fala sobre abuso e violência sem avisar.

Em outubro eles enviaram Minha vida de rata, um livro cheio de abusos e violências que não foram avisados. Enviaram o livros às cegas podendo ativar gatilhos de pessoas que não sabiam o que havia ali dentro. Além disso, é um o livro ruim, não gostei da escrita e nem da edição. Não teria lido, nem comprado se não tivesse recebido em casa sem saber o que seria.

5. Precarização do trabalho

Meses atrás a TAG iniciou um programa de parceria que convidava páginas do Instagram a falarem sobre eles em troca de uma caixinha. Para ganhar este mimo nós teríamos que vender um número absurdo de assinaturas. Eles esqueceram que o que fazemos aqui é trabalhoso e complexo, e o que nos move é o amor que sentimos pelos livros. Além disso, só uma pessoa com uma conta grande conseguiria vender o tanto de assinatura que eles esperavam. Eles viram que ninguém se interessou e retiraram a proposta do ar.


Lembrando que essas conclusões são uma opinião minha e respeito quem pense de um modo diferente. Quando assinei a TAG em julho fiz como um teste, queria ver se esse tipo de clube funcionaria para mim. Não tive uma boa experiência com a TAG pois todo mês era uma decepção nova e um sentimento negativo que as caixinhas traziam, principalmente, depois de tentar cancelar pela primeira, continuei porque queria a edição de Tudo de bom vai acontecer, e cancelei definitivamente depois de Minha vida de rata.

Agora quero saber de vocês! Gostam da TAG?